segunda-feira, 22 de junho de 2009

o que não é o que não pode ser que não é - por Visconde de Albuquerque

Nine, querida,

Quão reconfortante é tornar a ler teus sempre atenciosos comentários para minhas turvas idéias! Sempre grande o teu carinho. O embaroçoso é que perguntavas sobre os BRICs. De antemão, mister se faz avisar-te que tua alma sensível não merece receber o que há por vir. Mas não tenho como deixar de atender à solicitação de uma dama, mormente se essa dama és tu. Brasileira, rogo-te: vá até a janela, respira fundo, pega água fresca com folhas de hortelã. Enfim, prepara-te. Ou, se já te basta, ficas por aqui, direito inalienável teu, previsto na Constituição.

Em razão da cúpula reunida em Ecaterimburgo, seria oportuno debruçarmo-nos sobre essa candente questão. Mas, de pronto, meu único ímpeto caminha no sentido do pensamento reducionista de que os RICs vão muito bem, obrigado. O problema, caspite! é o B. Acabo de conversar, coincidentemente, com uma importante liderança do setor têxtil, como se sabe, de alta relevância na pauta das exportações nacionais pelo expressivo valor agregado de sua cadeia. Contou-me o empresário que nossas indústrias enfrentam outras lá fora beneficiadas por toda a sorte de incentivos fiscais, e isso inclui os queridos RICs, sobretudo C. E que aqui o governo não atenta para a importância desse setor, que representa um dos maiores empregadores de mão de obra do Brasil, abaixo apenas da área de Alimentos e Bebidas, no sentido de fortalecer a competitividade tupiniquim. Segundo ele, estamos abrindo mão desses postos de trabalho para os países asiáticos em troca de commodities. É aí que deixamos de falar de decisões estritamente ligadas à esfera econômica para dar lugar à vontade política.

Fui um eleitor de Lula de primeira hora. Ainda assim, no governo Fernando Henrique, agastava-me perceber a dificuldade de gerir o país com o principal partido de oposição ceifando-lhe as iniciativas - do que são provas as ameaças de instalar CPIs por tudo e por nada -, ao mesmo tempo em que condenava febrilmente as alianças, necessárias à qualquer administração, costuradas na chamada direita. Idiota que sou, qual o Eremildo de Gaspari, achava eu que, após tantas lutas para vencer um inimigo comum, Fernando e Luís deveriam era estar lado a lado na condução de um país melhor. Uma vez, estive no gabinete de FHC e ele, em audiência com uma delegação da Fifa, mandou: "Vocês querem que eu fale em inglês ou francês"? Não é nada, não é nada...não é nada. Mas, diante do absoluto (e absurdo) desinteresse de, digamos, certos brasileiros em falar corretamente a própria língua, convenhamos, é um feito e tanto para um aspirante a estadista. Que não quer menas coisa. Imaginava eu o quanto Fernando Henrique - a quem nunca confiei um voto -, um democrata, louco para estabelecer diálogos políticos de alto nível, devia ser avesso àquela roda toda de negociações de acordos debaixo do pano com gente que... Posso estar enganado.

Minha desilusão com Luís começou com aquela história da deportação do jornalista americano que ousou escrever que o presidente bebia além da conta. Ali, senti, de imediato, um cheiro de democracia queimada. Para quem se julga injuriado, há a via de abertura de processo na justiça comum por calúnia. Simples assim. Mas "nosso guia" (de novo, Gaspari) chegou a um extremo tal que, não combatido a contento pela própria imprensa brasileira - como, de resto, passou incólume por todo o escândalo do mensalão - , fez o que fez.

Pulando (muitas) outras etapas, veio recentemente o famigerado blog da Petrobras, Que nada mais é, sob o pretexto de "democratizar" o acesso às informações da companhia, do que a usurpação do direito intelectual dos profissionais. Imagine que, dentro do jornalismo, já há os chamados setoristas, que cobrem áreas específicas (Cultura, Esporte, Política etc.). Dentro da própria editoria de Economia, existem segmentações para tratar de energia, logística, mercado financeiro and so on. Em miúdos, gente ultraespecializada em seus haveres. Que conhece e analisa em profundidade a área em que atua, em função de suas relações de credibilidade com as diversas fontes de apuração. Portanto, evidentemente, quanto mais credenciado o jornalista, tanto melhor serão suas pautas, mais acuradas suas perguntas. À medida que todo esse conhecimento e esforço pessoal - pertencente a ele, em particular, e ao veículo em que trabalha - é jogado via internet para ser aproveitado comercialmente - e a custo zero - por quem quer que seja, é o fim da qualificação individual. Para que, afinal, vou dar-me ao trabalho de estudar, pesquisar, enfim, compreender com apuro às questões relacionadas a petróleo e cia., se isso tudo me é dado de barato por intermédio de um prosaico clique? Deixe que digam, que pensem, que falem. E que, principalmente, trabalhem por mim.

Não bastasse isso, agora surge a inacreditável oferta de Lula de uma coluna semanal para a imprensa como um todo no Brasil. O presidente se dispõe a responder perguntas formuladas por todo e qualquer órgão. Desde que esta coluna seja publicada em um determinado dia (às terças feiras), dentro de formato específico - se me recordo, 3 perguntas por vez - e, claro, reservando-se o governo a escolher quais serão elas. Se, de fato, o presidente tem tanto interesse em apresentar e esclarecer dúvidas via imprensa sobre suas ações, porque não convocar amiúde entrevistas coletivas no Palácio? Que me lembre, elas não passaram de duas ou três ao longo desses dois mandatos. O mais triste é que não vi - salvo engano - nenhuma reação na imprensa a essa tentativa escandalosa de interferir na agenda jornalística do País. O mundo gira, a lusitana roda e...tome polca! Sem contar que José Sarney não é uma pessoa comum, quem desmatou não é bandido e...

Nine, querida, só peço que teu instinto de autopreservação tenha falado mais alto e te impedido de chegar até aqui. Se, por acaso, cometeste o tresloucado ato, perdoa-me por te magoares com tantas observações insensíveis. Da próxima vez em que te deparares com minhas choramingolas, segue rumos mais certeiros. Toma uma banho quente e relaxante, põe um CD de Piazzolla, telefona a um amigo, prepara teu risoto. E aceita este pôr do sol como escusas por tanta chateação. Eu, por meu turno, gelarei os chandons rosés que acabo de ganhar. E a alegria não tardará.

Um beijo.

Obs - Imperdível: 7 de julho, às 20h, Teatro Villa-Lobos - Orquestra de Solistas do Rio de Janeiro, Guinga e Leila Pinheiro



7 comentários:

Edu O. disse...

Guilhermina, grato pela visita ao Monólogos e feliz por conhecer este teu pedacinho.

CeciLia disse...

Opa! Li todo o post, que aplaudo, para chegar ao final e encontrar o chamado para a Leila Pinheiro e Guinga. Dá uma olhada lá no Lua a sugestão da música no último post. Glups! Cruzes!!! Santa sincronicidade...

Nine de Azevedo disse...

Querido Visconde obrigado por responder minha pergunta.Diferentemente de voce ,eu dei meu voto tanto a um qto ao outro.Iludi-me que um professor ,um humanista seria a soluçao para o pais.O outro, que um camarada do povo saberia com ajuda de gente capacitada servir ao mesmo...Como voce citou depois do caso do jornalista e da agenda de terças o melhor é chorar na cama e de preferencia com um rosé de boa qualidade e companhia idem!beijos carinhosos a voce meu caro e a Rainha!

eduarda disse...

Mon cher Vicomte

Há cerca de quinhentos anos governos e governantes tentam impedir essa terra de acabar de se desenvolver.
Os alemães já provaram que é possível fazê-lo em menos de cinquenta,por duas vezes.
Pindorama seguirá sendo pindorama,porque é do interesse de uns,certamente poderosos.
Vamos aos vinhos,porque merecemos.
Pena estar longe e não poder convidá-lo para tal.
Beijos

Sus-pensa disse...

A quem interessar (aos daqui, acredito, são todos interessados e interessantes!):

Obs (ressignificada) - Imperdível: 7 de julho, ao longo de todo o dia, eis o meu dia! Dia do meu aniversário, meus caros...rs

Aguardarei, ansiosa, os parabéns de todos!

Visconde, como é bom e maravilhoso e estupendo ler-te! Não nos falte mais!!

Nine, ora, mas que troca interessante essa da sua questão com o nosso amado Visconde, hã? Adorei! Prossigam nesse movimento! rs

Rainha, minha Rainha... tenho, ultimamente, cruzado os teus caminhos (efetivamente), e às 5ªs. Não há maneira de esquecer-te!

Beijos meus a todos!

Visconde disse...

1. Nine, mais uma vez agradeço vossa atenção. Bj.

2. Cecília, igualmente sou-lhe grato pela leitura. Baideuêi, onde fica o Lua para eu ver a sugestão de música?

3. Duda, não vejo a hora de pousar meus olhos sobre ti.

4. Susana, a-ha! Andei desconfiado de que não querias mais saber das filosofias de salão desse nobre vagabundo. Que agradável a tua visita, canceriana! Viva o dia 7!

5. Rainha, só repito-me, indefinidamente: todas as saudades, amada.

Renato Alt disse...

"E a alegria não tardará."
Um profundo e aliviado suspiro, com essa frase, depois de tudo, seguindo adiante.
Amém.
Beijos