quinta-feira, 2 de julho de 2009

agàpe: prazeres indecentes de tão bons... - por Nine

Em grego agàpe significa amor, afeição, amizade. Segundo o Houaiss também significa festa, banquete, refeição, almoço de confraternização. Em latim tardio pode ser traduzido como amor, amizade, caridade e refeição fraternal.

"Devemos comer tanto quanto a fome exige e bebermos tanto quanto a sobriedade permite" (Tertuliano, o africano, Apologia cap 39). O que se destaca nos significados dessa palavra é que há várias maneiras de comer e nenhuma delas é inocente...

”Comer & beber” é um dos maiores prazeres que o ser humano tem. Creio que só é suplantado pelo prazer carnal. Com a ressalva de que podemos viver sem sexo, mas não podemos viver sem comida!

Comer não é só se alimentar ou não deveria ser... Como gosto imensamente de cozinhar, meu prazer já começa na imaginação, como todos os outros prazeres... Na escolha dos ingredientes e em sua manipulação. Temperos, cheiros, texturas já movimentam os sentidos

Santo Agostinho em suas "Confissões" cap X, escreve que entre o mal estar da necessidade (a fome) e o bem estar da saciedade, estende-se uma armadilha com as redes da cupidez. Lembrem-se que cupidez tem a mesma raiz de cupido, o deus do amor. Pois essa passagem diz ele, é em si mesma uma volúpia! "E quem é, Senhor, que não se deixa um pouco levar fora dos limites da necessidade?!! "Quem sou eu para contradizer um santo homem! Me deixo sempre!

Creio que o ato de comer junto com outros, diz muito sobre as pessoas à mesa. Sobre a voracidade ou temperança, gentileza e educação. Não gosto muito de pessoas que vivem de dietas e só falam disso, que "não comem"! Por isso mesmo cada vez mais, gosto de homens gordinhos; não gordos, não obesos, apenas aqueles em quem o pequeno sobrepeso denotam prazer à mesa. Ai a minha delirante imaginação já me leva a pensar que ele também aprecia outros prazeres. Gente que gosta de comer e cozinhar é quase sempre companhia agradável, almoços de domingos que se estendem pela tarde, longas conversas, risadas. Uma delícia!

Um amigo, corretor de imóveis, me contou que sempre que é possível, quando vai levar um cliente num apartamento ou casa, chega antes e coloca uma maçã com canela e cravo no forno para assar.

Quando o cliente chega, a casa esta cheirando a maçã assada, canela, doce aguçando os sentidos... ele me disse que quando isso acontece, dificilmente perde essa venda!

Nossos sentidos produzem sensações maravilhosas. Experimente ir ao mercado municipal da sua cidade e fazer como a Amélie Poulain, mergulhar as mãos de olhos fechados numa saca de cereais... Compre legumes de cores e formas diferentes e feche os olhos e sinta seus odores e suas formas. Vá à feira livre ou a uma loja de temperos, compre vários diferentes, feche os olhos e os aspire profundamente, separadamente. Depois os misture, faça combinações, a priori, estapafúrdias. Já fiz frango com aniz estrela e ficou bom!

Asse frutas, coloque alecrim e noz moscada nas batatas de todo dia e leve ao forno, pegue um maço de sálvia fresca, esfregue nas suas mãos e sinta que perfume!

Contudo estar à mesa com alguém, ou varias pessoas, pode tornar-se um lugar perigoso. Um lugar de revelações: tem gente que acha comer tão necessário quanto condenável. São pessoas que se reprimem tanto que devem ter algo a esconder... A própria restrição deve ser uma volúpia, um pecado... Não sou psicanalista, mas já fiz tanta analise que me permito afirmar que no ato de comer existe uma inversão. Porque não é depois que tomamos consciência das reais razões do ato. Os perigos morais de cama e mesa são conhecidos, temidos e ou assumidos. Já sabemos que não vamos nos controlar, nos censurar! Comemos muitas vezes demais, bebemos demais, amamos demais também! Quem nunca acordou dizendo que "nunca mais" vai beber e ou comer daquela maneira?!...

Para concluir, comer e amar são atos interligados. Os dois proporcionam prazeres inenarráveis, ambos exigem temperança, mas com certa voracidade para ser bom demais. Ambos trazem momentos de comunhão universal, momentos de felicidade mesmo!

beijos
Nine de Azevedo

PS. Querido Visconde, escrevi essa pensando em você e nesse prazer que nem é secreto, que compartilhamos, de cozinhar e comer bem e no meu último fim de semana...

4 comentários:

Sus-pensa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sus-pensa disse...

Gente!

Precisamos, efetivamente, de uma mesa real - que suplante a cibernética - pra experimentar tudo isso. E juntos!

Uma delícia de texto, Nine!

Visconde, ainda despertando ótimas produções da parte dessa nossa florzinha linda. Parabéns, meu caro!

Rainha, quantas saudades... e o nosso café, pra quando será?

Beijos, com perfume de sálvia e alecrim, a todos!

Visconde disse...

Nine, querida, vinha lendo teu texto com uma volúpia de quem compartilha prazeres tão afins contigo - das artes espirituais e das físicas também. Pensava eu: esta gaja está a superar-se, pois não? Quando constatei, ao final, que estavas a pensar em mim, oh, querida, quanta honra! A pequena homenagem que posso fazer a tua linda abordagem é correr à cozinha. E seguir teus conselhos. Pegar uma massa e inventar um molho delicioso. Vou lá na hortinha pegar uns manjericões e uns alecrins. Vês o quão inspiradoras foram tuas sempre gentis palavras?
Beijo-te, agradecido pelos momentos felizes.
Buca.

Nine de Azevedo disse...

Querido Visconde ,fico feliz que o tenha agradado!Espero que tuas maos tenham produzido molhos maravilhosos, manjericao é uma das minhas ervas preferidas junto com o alecrim.Que vossa senhoria e sua Vivi tenham tido momentos agradaveis com um bom vinho!Beijo-te carinhosamente.Susanna minha flor ,espero que qdo venhas a Sp possa cozinhar para ti e mostrar ao fisico um livro interessante que eu adoro" "O que Einstein falou para meu cozinheiro"!bjs