quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

à beiramar - por Rita



Querida Guilhermina,

Cá estou à 01h de uma quarta-feira magra de referências. Fones no ouvido, já que a alma antiga não se corrompe diante das modernidades, mas agradece, ouvindo Milton e Nana cantando “Sentinela” a plenos pulmões, desafiando a madrugada e seus tormentos. Graças!

Apesar das janelas terem telas, mergulho na bagagem do imaginário e as transcendo. Os prédios se pulverizam, as montanhas assumem o horizonte e eis que me lanço antenas abaixo (no tempo de minha memória, seriam telhados) e chego na praia.

Eu sempre volto para a praia. Carimbo de um pai nomâde. Ainda assim, marca registrada. De um mar que lava. De Iemanjá que me recebe.

Recentemente foi Atafona que me trouxe Ipanema. Estranho como uma imagem se torna a matriz de outras e a transferência num movimento louco de adaptação, permite a irrigação, o transplante necessário, o canal cervical da conecção... E aí se enfileram as lembranças. Espalham-se pela areia as risadas, o prata da lua e a fogueira acesa com fósforos. As caixinhas eram de madeira. Percussivas.

A mesma espuma que fosforesce, as bolhas que ferem superfície granulada e as marcas que a pegada deixam quando assustam a água por alguns segundos. A assinatura dos meus pés não mudou. Depois de tantas nuvens, gostei de constatar isso. Sim, sobreviver é mágico. Porque viver é tão absolutamente comum quanto raro.

Somos eternos processadores do relativo. Que sina, hein Guilhermina? Mas tudo isso é para dizer que nesse triturador interminável, é a mistura que faz valer a pena. E que toda a fotografia exige solidão. Revelação. E depois a exposição. Mas isso não nos espanta. Afinal, não viemos aqui para isso? Sombras lado a lado contra o mesmo sol e estrada... Até a bifurcação.

Que Deus abençoe o amor. A ponte em cima do abismo e sua estrutura de elos. Única saída do labirinto. Bem, minha querida, era só a digestão dessa magnitude. E sei que você aprova isso.

Boa noite e sonhe com os anjos.
Rita.

2 comentários:

guilhermina disse...

E justo vc ainda reclama de não poder voar...
Se suas asas fossem além, romperia o traçado do caminho de volta e habitaria outras galáxias!
E o amor à distância, ainda que possa existir, é privado da intimidade.
Por sua vez, o amor sem intimidade só pode existir como lembrança, guardada em alguma gaveta do corpo e da história, que é pra não doer. Não te quero lembrança. Nem ausência, nem dor.
Segue caminhando pela orla. Visite todos os seus esconderijos, mas volte sempre para um chope no calçadão.
Beijo,
Guilhermina

蕭敬騰alex disse...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,a片,AV女優,聊天室,情色